o que é ansiedade

13-02-2020

Entendendo o que é ansiedade

Vamos explicar o que é ansiedade, quais os seus principais sintomas e algumas estratégias para controlá-la

 

É muito comum as pessoas denominarem ansiedade diversos tipos diferentes de sintomas e sensações. Isso acaba por banalizar o termo e esvaziar sua verdadeira definição. Por isso, no post de hoje vamos entender e desmistificar o termo, assim como seus principais sintomas e dicas práticas para controlá-la.

 

O que é ansiedade?

Em uma linguagem não técnica, os dicionários definem a ansiedade como aflição, angústia, perturbação do espírito causada pela incerteza, dentre outros. Em um aspecto mais técnico, o termo ansiedade é utilizado para descrever a resposta mental e psíquica a situações de medo ou ameaça. Essa resposta pode incluir tremores, falta de ar, aumento dos batimentos cardíacos, sudorese, alterações gastrointestinais e outros sintomas (Anvisa, 2012).

 

Assim, é necessário entender a ansiedade como um fenômeno que pode beneficiar ou prejudicar o indivíduo. A ansiedade, sem exageros, estimula o indivíduo a entrar em ação. Porém, quando esta ansiedade se manifesta em excesso, pode tornar-se patológica, ou seja, prejudicial ao funcionamento psíquico (mental) e somático (corporal) (Ministério da Saúde, 2015).

 

Tipos de Ansiedade:

Para a Anvisa, existem 4 (quatro) principais transtornos de ansiedade:

  • Transtorno do Pânico: a manifestação central é o ataque de pânico, um conjunto de manifestações de ansiedade com início súbito, com diversos sintomas físicos e com duração limitada no tempo, em torno de 10 minutos.
  • Transtorno de ansiedade social: medo de ser exposto à observação atenta do outro e que leva a evitar situações sociais. Caracteriza-se por perda da autoestima e medo de ser criticado.
  • Transtorno de ansiedade generalizada (TAG): as manifestações de ansiedade oscilam ao longo do tempo, mas não ocorrem na forma de ataques, nem se relacionam com situações determinadas. Estão presentes na maioria dos dias e por longos períodos, de muitos meses ou anos.
  • Transtorno obsessivo-compulsivo (TOC): caracterizado essencialmente por ideias obsessivas ou por comportamentos compulsivos recorrentes.

 

Por isso, sentir ansiedade em alguns momentos específicos da nossa vida como, por exemplo, antes de uma reunião importante, uma entrevista ou em outras situações, é normal e faz parte de uma reação natural do organismo. Porém, é necessário acender uma luz amarela de atenção quando esses sintomas são frequentes, intensos e generalizadas e, muitas vezes, paralisando o indivíduo.

 

Principais sintomas da ansiedade

Os sintomas vão variar de indivíduo para indivíduo, além de variar de acordo com a própria intensidade dos sintomas. É importante entender que tais sintomas podem se manifestar de 3 (três) formas:

  • Pensamentos: muitas pessoas que sofrem de ansiedade têm pensamentos como “vou ficar louco”, “vou morrer”, “não consigo fazer nada”, dentre outros.
  • Reações emocionais: vergonha, nervosismo, inquietude, dificuldade de concentração, tristeza, medos irracionais, insônia.
  • Reações físicas: falta de ar, taquicardia, tremores, ânsia de vômito, tensão muscular, sudorese, problemas gastrointestinais, dentre outros.

 

De acordo com o Manual de Diagnóstico e Estatística dos Transtornos Mentais (DSM-5), os transtornos de ansiedade incluem transtornos que compartilham características de medo e ansiedade excessivos, sendo que medo é a resposta emocional à ameaça iminente real ou percebida, enquanto ansiedade é a antecipação de ameaça futura. Às vezes, o nível de medo ou ansiedade é reduzido por comportamentos constantes de fuga, além de evitar determinadas situações.

Outro ponto é que os ataques de pânico se destacam dentro dos transtornos de ansiedade como um tipo particular de resposta ao medo (importante reforçar que tais ataques não estão limitados aos transtornos de ansiedade e também podem ser vistos em outros transtornos mentais). Assim, embora os transtornos de ansiedade compartilhem inúmeros sintomas entre si, podem ser diferenciados pelo exame detalhado dos tipos de situações que são temidas ou evitadas e pelo conteúdo dos pensamentos ou crenças associados.

 

Estratégias para controlar a ansiedade

Como destacado no início deste post, sentir ansiedade em alguns momentos é normal e é uma reação natural do próprio organismo. Porém, muitas vezes, os sintomas associados podem trazer desconforto. Por isso, para essas situações pontuais nas quais a pessoa sente ansiedade, temos 5 (cinco) dicas para diminuir alguns sintomas:

 

Identificar as causas da ansiedade

É importante identificar as situações que despertam os sintomas de ansiedade, pois é algo bem pessoal e individual. Através deste autoconhecimento, é possível adotar estratégias para afastar tais situações ou, pelo menos, aprender a lidar de maneira mais positiva e serena.

 

Praticar atividade física

A atividade física tem uma ligação direta com a qualidade de vida da pessoa. Importante escolher uma atividade física que dê prazer e que seja possível colocá-la na rotina diária para uma prática regular. Certamente a sensação de bem-estar irá aumentar. Assim como a disposição, pois a endorfina liberada pelos exercícios ajuda a reduzir a ansiedade. Além de poder gerar melhorias no sono.

 

Colocar a meditação na rotina diária

Meditar diariamente traz inúmeros benefícios, como a redução do stress e aumento do foco e da atenção. Outra vantagem da meditação é que não tem contraindicação e pode ser adotada por crianças, adultos e idosos.

 

Manter alimentação equilibrada

É comum algumas pessoas que sofrem de ansiedade terem uma alimentação desregulada, pois usam a comida como um “escape momentâneo”. Alguns produtos, por serem estimulantes, devem ser consumidos com cautela como, por exemplo, o café. Além disso, gordura saturada, carboidratos refinados, bebidas alcoólicas, dentre outros tipos de bebidas e alimentos também podem intensificar os sintomas da ansiedade. Para saber mais sobre uma alimentação saudável, o blog Ciência Fitness traz excelentes dicas.

 

Organize seu dia com antecedência

A desordem pode ser um desencadeador da ansiedade. Por isso, uma dica interessante é você planejar seu dia com antecedência e fazer os preparativos necessários. Claro que os imprevistos continuarão acontecendo, mas você pode se sentir mais seguro para encarar estas situações inesperadas.

 

Caso os sintomas perdurem ou tragam consequências mais relevantes, é necessário conversar e procurar ajuda especializada. Quer saber mais sobre o assunto? Temos um outro conteúdo que vai te interessar muito “Entenda o Transtorno Obsessivo Compulsivo: o que é TOC?”.  Mantenha-se sempre atualizado seguindo-nos no  Facebook e no Instagram.

 

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Zenfy (@zenfyapp) em