Tricotilomania o que é

26-03-2021

O que é tricotilomania? Entenda o que é esse transtorno e veja depoimentos de quem sofre com a doença

Entenda o que é a tricotilomania, conheça os principais sintomas e veja alguns depoimentos de pessoas que passam por isso.

 

Tem uma expressão muito comum que usamos que é “arrancar os cabelos de raiva”. Quem já não se sentiu assim, não é mesmo?

Porém, você sabia que essa “mania” de arrancar fios ou pelos do corpo pode ser um transtorno? Sim, tricotilomania que, algumas vezes, pode estar associada à sua ingestão (tricofagia).

A tricotilomania é pouco discutida até por quem sofre com isso. E para entender um pouco mais sobre este transtorno e trazer alguns depoimentos, esse é o tema do nosso post de hoje.

Vamos lá?!

 

 

 

O que é tricotilomania?

 

A tricotilomania é um tipo de transtorno obsessivo-compulsivo. A origem da palavra vem do grego: trico quer dizer “cabelo”, tilo é “puxar”.

De acordo com o MSD Manuals, a tricotilomania é caracterizada pelo impulso de arrancar os fios de cabelo (ou pelos) recorrentemente, resultando em perda de cabelo. Geralmente, a pessoa arranca o cabelo do couro cabeludo, sobrancelhas e/ou cílios, mas o pelo de qualquer parte do corpo pode ser arrancado.

A pessoa com esse transtorno puxa ou arranca compulsivamente cabelos/pelos por motivos não relacionados com a estética. Ou seja, a pessoa não arranca cabelos/pelos para melhorar a aparência física.

Além disso, é possível que a pessoa com tricotilomania se sinta tensa ou ansiosa logo antes de arrancar o cabelo/pelos. Desta forma, o ato de arrancá-lo pode aliviar essa sensação.

É possível ver que, em alguns casos, esse “arrancar” de cabelos ou pelos é automática (sem plena consciência). Em outros casos, o indivíduo está mais consciente desta ação.

No geral, as pessoas que sofrem com tricotilomania tentam parar ou diminuir esse comportamento, mas sem sucesso.

Neste vídeo, a psiquiatra Maria Fernanda explica mais o que é tricotilomania e como tratar esse transtorno.

 

 

Quando começa a Tricotilomania?

A tricotilomania começa, no geral, um pouco antes ou depois da puberdade. Outro dado surpreendente: cerca de 90% dos adultos com tricotilomania são mulheres.

Além disso, é importante destacar que os sintomas variam de intensidade de acordo com cada indivíduo e podem continuar por toda a vida.

 

 

 

Principais sintomas da tricotilomania

 

Como vimos, o arrancar de fios de cabelo na tricotilomania geralmente é crônico, com oscilações dos sintomas.

A Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) destaca que causa da tricotilomania ainda não é totalmente conhecida. Sabe-se, porém, que é possível que haja uma tendência genética. Além disso, eventos estressores podem funcionar como gatilho, sendo a faixa etária de maior incidência entre 10 aos 13 anos.

Outro ponto importante para se destacar: os padrões da perda de cabelo podem variar entre os indivíduos. Alguns apresentam áreas de alopecia (falta de cabelo) total ou cílios e/ou sobrancelhas faltando; outros simplesmente têm pouco cabelo.

O MSD Manuals pontua que é possível observar uma variedade dos comportamentos (rituais) que pode acompanhar o arrancar de cabelo, tais como:

  • Há pacientes que podem procurar meticulosamente um determinado tipo de cabelo para arrancar;
  • Outros podem tentar assegurar que os fios de cabelo sejam arrancados de uma forma específica
  • Alguns podem enrolar o cabelo entre os dedos, puxar os fios entre os dentes, ou morder o cabelo depois de arrancado;
  • Muitos pacientes engolem os fios de cabelo (esse distúrbio é chamado de tricofagia).

 

De acordo com a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), 5 a 20% dos casos a tricotilomania evolui para a tricofagia, distúrbio em a pessoa ingere os fios logo depois de arrancá-los. O que, a longo prazo, pode levar a um quadro de obstrução do trato digestivo pelos tufos de cabelo ingeridos.

 

 

 

Como é o tratamento da tricotilomania

 

O tratamento é individualizado, analisando caso a caso.

Porém, no geral, são utilizados os seguintes tratamentos (fonte: MSD Manuals):

  • Terapia cognitivo-comportamental;
  • Medicamentos.

 

A terapia cognitivo-comportamental com foco específico na mania de arrancar cabelos/pelos pode ajudar a diminuir os sintomas.

A forma mais comum é a terapia reversa de hábitos. Nessa terapia, a pessoa aprende a:

  • Ficar mais consciente do que está fazendo;
  • Identificar situações que desencadeiam essa ação;
  • Usar estratégias para ajudá-la a parar de arrancar os cabelos/pelos. Por exemplo, substituindo a atividade de arrancá-los por outra, como cerrar os punhos.

 

Quando há uso de medicamentos, os mais comuns são:

  • Os inibidores seletivos de recaptação da serotonina ou clomipramina (que são tipos de antidepressivos);
  • N-acetilcisteína ou a olanzapina.

 

 

 

Depoimentos de pessoas sobre o transtorno

 

Para você entender mais sobre os principais sintomas da tricotilomania e como as pessoas se sentem, trouxemos hoje dois depoimentos:

Aqui, o depoimento Fernanda Mota sobre o transtorno:

 

Neste outro depoimento, a Bruna conversa um pouco sobre o transtorno (logo no início do vídeo) e depois a apresentadora fala sobre soluções estéticas para o problema, como o uso de megahair.

Se você acha que sofre com esse transtorno (ou alguém próximo), é importante procurar ajuda especializada.

 

Para você continuar se informando, separamos aqui outros 4 (quatro) posts que, certamente, vão te interessar:

Entenda o Transtorno Obsessivo-Compulsivo: o que é TOC

Remédio para Transtorno Obsessivo-Compulsivo (TOC)

Transtorno Obsessivo-Compulsivo: os diferentes tipos de TOC

Ansiedade: um guia completo para entender e combater o problema

 

E para você se manter sempre atualizado e acompanhando as novidades, comece agora mesmo a nos seguir nas diversas redes sociais: Facebook, Instagram e também aqui no Blog Zenfy.