responsabilidade afetiva

15-05-2021

O que é responsabilidade afetiva?

Entenda o conceito de responsabilidade afetiva, o que é, as diferenças para reciprocidade afetiva e como colocá-la em prática

 

A liberdade conquistada nas últimas décadas, tanto para homens quanto para mulheres, fez com que as pessoas pudessem escolher, de maneira mais genuína, os seus relacionamentos. Seja casamento, namoro, sexo casual e muitas outras dezenas de formas. As pessoas se sentem mais livres para serem o que são e se relacionarem de diferentes maneiras.

Porém, quando falamos de relacionamentos, estamos nos referindo a mais de uma pessoa. E como ser livre sem, de alguma forma, subjugar o outro? A frase “nossa liberdade termina quando a do outro começa” e “você se torna eternamente responsável por aquilo que cativas” nunca foram tão atuais.

Embora a associação mais comum da responsabilidade afetiva seja com relacionamentos amorosos, ela pode se materializar nos mais diversos tipos de relacionamentos. Tais como de namoro, de amizade, familiar, dentre outros.

Para contextualizar um pouco mais sobre este tema, no post de hoje vamos entender o conceito de responsabilidade afetiva. O que é e as principais diferenças em relação à reciprocidade afetiva, assim como colocá-la em prática.

 

Afinal, o que é responsabilidade afetiva?

 

Muitas pessoas pensam, de maneira errônea, que responsabilidade afetiva é ter reciprocidade nos sentimentos.

De acordo com o Instituto Brasileiro de Coaching (IBC), a responsabilidade afetiva é o conceito que leva uma pessoa a agir com o máximo de transparência possível dentro de uma relação.

No âmbito amoroso, a responsabilidade afetiva reforça a necessidade de ser transparente e sincero com o parceiro ou parceira deixando claro, a todo momento, quais são os respectivos desejos e intenções, sendo cuidadoso com os sentimentos alheios e, de maneira essencial, tratar com respeito e empatia as emoções e o sentir do outro dentro da relação.

Assim, a responsabilidade afetiva está relacionada com a honestidade e a transparência em uma relação. Ou seja, ter consideração tanto com os próprios sentimentos e intenções quanto com os da outra pessoa, agindo de maneira clara, honesta e cuidadosa.

Colocar-se no lugar da outra pessoa, ou seja, ter empatia é um dos pontos fundamentais quando se fala de responsabilidade afetiva.

 

Entendendo o que é empatia

 

A palavra empatia tem origem grega e significa ter a habilidade de entender a necessidade do outro. É o esforço de se colocar no lugar da outra pessoa e ver o mundo pela sua perspectiva.

É ter a sensibilidade de ouvir alguém verdadeiramente e entender os seus desconfortos e suas alegrias, ver suas vitórias, conquistas e se alegrar, ver suas tristezas e se convalescer.

 

Responsabilidade afetiva e reciprocidade afetiva: conceitos diferentes

 

Como já pontuamos anteriormente, responsabilidade afetiva e a reciprocidade afetiva são conceitos totalmente diferentes e não devem ser confundidos.

Na responsabilidade afetiva, como já vimos, a pessoa demonstra o real interesse, de maneira honesta, transparente e empática, agindo em coerência com os seus sentimentos.

Já na reciprocidade afetiva, o indivíduo corresponde ao sentimento de outra pessoa. Ou seja, as duas pessoas partilham o mesmo sentimento, na mesma intensidade.

Assim, para ter responsabilidade afetiva não é necessário ter reciprocidade afetiva. É possível tratar as pessoas com quem se relaciona de uma maneira positiva, sem ter o mesmo sentimento ou a mesma intensidade recebida. Ou seja, é possível tratar com transparência, respeito e honestidade sem partilhar o mesmo sentimento.

 

A responsabilidade afetiva na era digital

 

Este conceito está relacionado com o respeito pelo próximo e, sobretudo, com a empatia.

E, na era digital de exposição nas redes sociais, muitas pessoas acabam não priorizando este cuidado.

Por exemplo: um casamento que durou 8 anos e chegou ao fim. Uma das partes sabe que a outra ainda alimenta alguns sentimentos. Poucas semanas depois do fim do relacionamento, uma pessoa já está em um novo relacionamento e expõe nas redes sociais.

Essa situação pode gerar muito estresse e sofrimento para outra parte, no momento em que o término da relação é ainda algo muito recente.

Isso não significa que a outra pessoa não pode recomeçar sua vida e ter novos relacionamentos. Na responsabilidade afetiva, há um cuidado com o outro, evitando situações de sofrimento desnecessárias. No caso, evitar este tipo de exposição na rede social em um momento em que há ainda muitas feridas abertas.

 

Como pôr em prática:

 

Para colocar em prática a responsabilidade afetiva, é necessário:

  • Ser franco e honesto: o diálogo transparente é a base de tudo. Converse com a outra pessoa, sempre com sensibilidade, e exponha seus sentimentos e verdadeiras intenções.
  • Ter empatia: não fazer com o outro o que não gostaríamos que fizessem conosco é uma máxima que faz todo sentido quando falamos de responsabilidade afetiva.
  • Praticar o autoconhecimento: para entender, de fato, quais são os próprios sentimentos e intenções. Desta forma, será possível ter um diálogo empático com a outra parte.

 

Mais do que nunca, precisamos tratar com muito respeito o outro. Ter responsabilidade afetiva é fundamental para termos uma sociedade mais saudável.

Para você continuar se informando, separamos aqui outros 4 (quatro) posts:

Você está em um relacionamento tóxico?

Entenda o Transtorno Obsessivo-Compulsivo: o que é TOC

Transtorno Obsessivo-Compulsivo: os diferentes tipos de TOC

Ansiedade: um guia completo para entender e combater o problema

 

E para você se manter sempre atualizado e acompanhando as novidades, comece agora mesmo a nos seguir nas diversas redes sociais: Facebook, Instagram e também aqui no Blog Zenfy.