síndrome do impostor

17-07-2021

O que é síndrome do impostor e como identificá-la

Entenda o que é a síndrome do impostor, seus principais sinais e como superá-la

 

Você já conheceu alguém altamente competente e comprometido, mas que não consegue reconhecer a própria capacidade e suas qualidades?

Essa pessoa demonstra muita humildade e vive se apoiando em frases do tipo: “eu tive muita sorte”, “só pode ter sido o destino” ou “eu não sou tão bom quanto as pessoas pensam”. Isso pode esconder um problema bem mais sério: a síndrome do impostor.

Esse é um quadro muito mais comum do que parece e pode, inclusive, afetar o desenvolvimento pessoal e profissional de uma pessoa.

Para entender mais sobre esse fenômeno, no post de hoje vamos descobrir o que é a síndrome do impostor, seus principais sinais e ver como superá-la.

Vamos lá?

 

Você sabe mesmo o que é a síndrome do impostor?

 

A Sociedade Brasileira de Psicanálise Integrativa (SBPI) que é comum ouvir muitos relatos de pessoas que não se sentem pertencentes ao seu trabalho, não são merecedoras daquilo que conquistaram e são incompetentes naquilo que fazem.

Neste contexto, os elogios e as promoções não são facilmente aceitos, atribuindo seus ganhos a eventos externos, tais como sorte ou indicação.

Além disso, há também a crença que alguém descobrirá essa “realidade” e o verá como uma grande farsa.

Ou seja, isso é a síndrome do impostor. Alguém que acredita que não merece o sucesso profissional que tem por achar ser incompetente, além de sempre imaginar que alguém evidenciará sua falta de habilidade e capacidade profissional.

Assim, a síndrome do impostor, também chamado de pessimismo defensivo, é uma desordem psicológica que, apesar de não ser classificada como doença mental, é bastante estudada.

Os sinais costumam ser os mesmos sintomas que também são encontrados em outros transtornos como depressão, ansiedade e baixa autoestima, por exemplo.

 

Em quais profissões a síndrome do impostor é mais comum?

 

De acordo com a Forbes, essa incapacidade em internalizar o sucesso, onde o portador insiste que é incompetente ou pouco inteligente, pode ser experimentada por até 70% das pessoas em algum momento de suas carreiras.

Além disso, esta síndrome pode ser mais comum em pessoas que têm profissões competitivas, tais como:

  • Atletas;
  • Artistas;
  • Empresários;
  • Profissões nas áreas da saúde e do ensino.

 

Principais sinais da síndrome do impostor

 

Em um artigo, o Estadão pontua algumas características importantes sobre a síndrome do impostor, que são:

  • Há uma autossabotagem constante por medo de assumir um lugar de destaque;
  • Procrastina as tarefas que lhe são atribuídas ou que sabem que precisam realizar para que alcance o que desejam;
  • Há um grande sentimento de medo do que as pessoas acham, medo de serem julgados e descobertos em suas farsas;
  • Querem agradar o tempo todo;
  • Se autodepreciam, não acreditam em si mesmos;
  • Não admitem errar, julgando-se o tempo todo com pensamentos negativos a respeito de si mesmos;
  • Constantemente se comparam com outras pessoas sem levar em consideração o esforço que fazem para realizarem os seus objetivos;
  • Autocrítica excessiva.

 

Impactos da pandemia e a síndrome do impostor

 

Durante a pandemia, 46% das empresas adotaram o modelo de home office, segundo pesquisa realizada pela Fundação Instituto de Administração (FIA).

A pesquisa aponta que, durante a pandemia, intensificou-se a ocorrência da síndrome do impostor, uma vez que as pessoas encontram seus modelos de comparação nas redes sociais: “A gente costuma olhar o LinkedIn e ficar comparando e a sensação é sempre de estar para trás. Sempre de estar devendo e claro que isso tem a ver com o modo capitalista desse mundo que a gente vive hoje, de que cada vez mais você precisa mostrar sua capacidade, ser multitarefa e surpreender a todos”, cita Maria da Conceição Uvaldo, psicóloga e pesquisadora do Instituto de Psicologia (IP) da USP.

 

Como superar a síndrome do impostor

 

A Organização Na Prática traz algumas dicas para se livrar desta síndrome. Por exemplo, se comparar demais com colegas é uma das formas de agravar a síndrome do impostor.

Além disso, é muito difícil perceber que você está com a síndrome porque é o próprio indivíduo que alimenta essa crença. Mas ter uma checagem com a realidade ajuda a pessoa a ficar mais atento, o que vem com o nível profundo de autoconhecimento.

  • Por isso, algumas dicas para quebrar este ciclo vicioso:
  • verificar se os pensamentos realmente fazem sentido;
  • avaliar o próprio trabalho com um olhar técnico e externo;
  • fazer uma pesquisa de satisfação com seus clientes;
  • pedir feedback para pessoas que tenham contato com seu trabalho.

 

Além disso, as sessões de psicoterapia podem ajudar a pessoa a internalizar suas capacidades e competências, diminuindo a sensação de ser uma fraude.

Algumas dicas para ajudar a superar esta sensação:

  • Ter um mentor, ou alguém mais experiente e confiável para quem possa pedir opiniões e conselhos sinceros;
  • Compartilhar as inquietações ou angústias com um amigo;
  • Aceitar os próprios defeitos e qualidades, e evitar se comparar ao outros;
  • Respeitar as próprias limitações, não estabelecendo metas inalcançáveis ou compromissos que não possam ser cumpridos;
  • Aceitar que as falhas acontecem a qualquer pessoa, e procurar aprender com elas.

 

Gostou de saber mais sobre a síndrome do impostor? Quer continuar se informando com a gente? Separamos aqui outros posts que, certamente, irão te interessar.

Olha nossas sugestões:

 

Entenda o que fazer para eliminar a autossabotagem

O que é empatia? Conheça os 3 tipos de empatia

Ansiedade: um guia completo para entender e combater o problema

 

E para você se manter sempre atualizado e acompanhando as novidades, comece agora mesmo a nos seguir nas diversas redes sociais: Facebook, Instagram e também aqui no Blog Zenfy.