antidepressivo para que serve

14-08-2021

Para que serve o antidepressivo?

Entenda o que são os antidepressivos, quando é necessário tomá-los, veja quais são os seus efeitos colaterais.

 

Assim como revela o próprio nome, os antidepressivos são medicamentos utilizados, principalmente, para tratar os casos de depressão.

De acordo com o Ministério da Saúde, a depressão é um problema médico grave altamente prevalente na população em geral. De acordo com um estudo, a prevalência de depressão ao longo da vida no Brasil está em torno de 15,5%. Já de acordo com a OMS, a época comum do aparecimento é o final da 3ª década da vida, mas pode começar em qualquer idade.

Para entender mais sobre estes medicamentos, no post de hoje vamos explicar para que serve o antidepressivo, quando é necessário tomá-lo e ver quais são os seus efeitos colaterais.

Vamos lá?

 

Tipos de antidepressivos

 

De acordo com o MSD Manuals, os principais tipos de antidepressivos incluem:

  • Inibidores seletivos de recaptação da serotonina (ISRSs);
  • Antidepressivos mais modernos;
  • Antidepressivos heterocíclicos;
  • Inibidores da monoaminoxidase (IMAOs).

 

A maioria dos antidepressivos precisa ser tomada regularmente durante, no mínimo, algumas semanas antes que eles comecem a fazer, de fato, efeito.

Muitas pessoas precisam tomar antidepressivos por 6 a 12 meses para evitar recorrências. Pessoas com mais de 50 anos podem precisar tomá-los por até dois anos.

Além disso, é importante destacar que os efeitos colaterais variam de acordo com o tipo de antidepressivo. Às vezes, quando o tratamento com um medicamento não alivia a depressão, é receitado uma classe diferente ou uma combinação de medicamentos antidepressivos.

A seguir vamos falar das duas primeiras classes.

 

Inibidores seletivos de recaptação da serotonina (ISRSs)

 

Na classe dos ISRS são incluídos:

  • Citalopram;
  • Escitalopram;
  • Fluoxetina;
  • Fluvoxamina;
  • Paroxetina;
  • Sertralina;
  • Vilazodona.

 

Estes fármacos têm o mesmo mecanismo de ação, mas há diferenças em suas propriedades clínicas: por isso, a seleção correta por parte do profissional é fundamental.

Além disso, os ISRS têm margem terapêutica ampla; eles são relativamente simples de administrar, com pouca necessidade de ajustes de dose (exceto para fluvoxamina), conforme indica o MSD Manuals.

 

Antidepressivos mais modernos

 

Antidepressivos mais modernos são tão eficazes e seguros quanto os ISRSs e têm efeitos colaterais muitos similares.

Esses medicamentos incluem:

  • Inibidores de recaptação de noradrenalina- dopamina (por exemplo, a bupropiona);
  • Moduladores de serotonina (como mirtazapina e trazodona);
  • Inibidores de recaptação de serotonina- noradrenalina (como venlafaxina e duloxetina).

 

Assim como pode ocorrer com os ISRSs, o risco de suicídio pode aumentar temporariamente quando esses medicamentos são tomados pela primeira vez e a interrupção abrupta de inibidores de recaptação de serotonina- noradrenalina pode resultar em uma síndrome de abstinência.

 

Quando se deve tomar um antidepressivo?

 

De acordo com o Ministério de Saúde, a depressão é uma doença mental de elevada prevalência e é a mais associada ao suicídio. Além disso, ela tende a ser crônica e recorrente, principalmente quando não é tratada.

O tratamento para a depressão é medicamentoso e psicoterápico.

 

Como é feita a escolha do antidepressivo?

 

A escolha do antidepressivo é feita com base em relação ao:

  • subtipo da Depressão;
  • antecedentes pessoais e familiares;
  • boa resposta a uma determinada classe de antidepressivos já utilizada;
  • presença de doenças clínicas;
  • características dos antidepressivos.

 

Além disso, o Ministério de Saúde aponta que 90-95% dos pacientes apresentam remissão total com o tratamento antidepressivo. É de fundamental importância a adesão ao tratamento. Uma vez interrompido por conta própria ou uso inadequado da medicação pode aumentar significativamente o risco de tornar a doença muito mais crônica.

 

Tem pessoas que podem ser resistentes aos antidepressivos?

 

De acordo com a BBC, apesar de existirem várias terapias com medicamentos e tratamentos psicológicos eficazes para a depressão, em uma parcela dos portadores (entre 10% e 30%) elas fazem pouco ou nenhum efeito.

Essas pessoas têm a chamada depressão resistente ao tratamento, também conhecida como refratária ou não responsiva.

E o que isso significa? É quando o paciente, após tratamento com duas classes diferentes de antidepressivos, por mais de seis semanas e em doses terapêuticas, não apresenta melhora. É importante destacar que as causas para isso ainda não são totalmente conhecidas.

 

Principais efeitos colaterais dos antidepressivos

 

De acordo com o Jornal da USP, dentre os efeitos adversos mais comuns presentes na maior parte das classes destes medicamentos, estão:

  • taquicardia;
  • disfunção sexual;
  • reações anticolinérgicas.

 

Os antidepressivos mais modernos, apesar de apresentarem maior tolerância, ainda possuem reações colaterais. As mais comuns são:

  • problemas gastrointestinais;
  • cefaleia;
  • falta de coordenação motora;
  • alterações no sono e no nível de energia.

 

O Globo traz um estudo do Reino Unido que apontou que milhões de pessoas podem apresentar efeitos colaterais ao tentar reduzir o uso de antidepressivos.

A revisão indica que, em média, 56% dos pacientes que interrompem ou reduzem os antidepressivos apresentam sintomas de abstinência, com 46% deles relatando sintomas graves.

Além disso, a revisão aponta que a maioria dos estudos analisados mostra que uma proporção significativa de pacientes apresentou sintomas de abstinência por mais de duas semanas e que não é incomum que apresentem sintomas por várias semanas, meses ou mais. Dentre os sintomas, têm-se:

  • ansiedade;
  • problemas para dormir, como insônia;
  • alucinações.

 

O estudo indica que é preciso alertar os pacientes sobre esses possíveis efeitos, enfatizando que a orientação vigente no país diz que não é incomum que os efeitos colaterais durem semanas, meses ou mais.

Quer continuar se informando? Separamos aqui outros posts que, certamente, irão te interessar. Olha nossas sugestões:

 

Você sabe o que causa depressão?

Entenda o que é transtorno depressivo

O que são ansiolíticos?

Ansiedade generalizada: o que é TAG, sintomas e tratamento

Sinais de ansiedade

 

E para você se manter sempre atualizado e acompanhando as novidades, comece agora mesmo a nos seguir nas diversas redes sociais: Facebook, Instagram e também aqui no Blog Zenfy.