Ansiedade Guia

11-09-2020

Ansiedade: um guia completo para entender e combater a ansiedade

Coletamos tudo o que você precisa saber sobre ansiedade. Dados embasados sobre o que é, sintomas, causas, tratamentos e depoimentos de pacientes e profissionais.

 

 

Seja muito bem-vindo ao nosso Guia sobre Ansiedade 🙂

 

Criamos este artigo com muito respeito e muito carinho.

Acreditamos que o tema ansiedade ainda é alvo de muitos tabus.

Mais do que isso, defendemos a importância de falar abertamente sobre o tema.

Por isso, buscamos montar o artigo mais completo e empático, com uma abordagem um pouquinho diferente.

No lugar de apenas informar, resolvemos conversar: misturamos dados científicos com depoimentos práticos de quem trata e de quem enfrenta o problema.

Por sinal, fique a vontade para entrar em contato conosco e fazer sua contribuição. Este é um guia em constante atualização.

Esperamos que você goste!

 

Aqui estão os principais tópicos que você vai encontrar neste artigo:

  • Ansiedade em números
  • O que é ansiedade
  • Quando a ansiedade deixa de ser saudável
  • Sintomas
  • Tipos de Ansiedade
  • Causas
  • Tratamento e Medicação
  • Terapias Alternativas
  • Como controlar a ansiedade
  • Links úteis

 

 

 


Ansiedade em números: porque precisamos falar sobre o tema

 

Você sabia que o Brasil é o pais mais ansioso do mundo

 

Vivemos em um mundo onde tudo é traduzido em números.

No trabalho: dados, resultados, lucros… Na vida social: curtidas, compartilhamentos, comentários…

Para ser relevante, é preciso alcançar e influenciar muitas pessoas.

 

A gente poderia fazer um parênteses aqui, argumento que isto pode estar diretamente relacionado com os altos índices de ansiedade mundo afora, mas a ideia é outra.

 

Vamos surfar a onda:

 

Se é de relevância que precisamos para “virar assunto”, que tal 18,6 milhões de pessoas, somente no Brasil?

 

Pois é.

Caso você não saiba, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), o Brasil foi considerado o país com o maio número de ansiosos no Mundo.

9,3% a população brasileira convive com algum transtorno de ansiedade.

No que diz respeito à depressão, um problema diferente, mas que de certa forma anda de mãos dadas com a ansiedade, os números são igualmente alarmantes.

Somos o pais com maior números de casos na América Latina, e o segundo nas Américas (perdendo apenas para os Estados Unidos). Cerca de 12 milhões de pessoas sofrem com depressão por aqui.

 

Globalmente, a prevalência dos transtornos de ansiedade varia entre 2,5% e 7% de acordo com o país. Ao todo, foi estimado que aproximadamente 284 milhões de pessoas sofreram com algum distúrbio de ansiedade em 2017.

 

Ainda não temos dados sobre o assunto, mas imagine como deva estar este cenário pós confinamento?

 

Por isso, caso você esteja (ou conhece alguém) sofrendo com ansiedade, saiba que não está sozinho.

Mais do que isso, tenha a segurança de que a ansiedade não é um problema banal. O assunto merece respeito, empatia, e, acima de tudo, cuidado.

 

Nos próximos tópicos reunimos tudo o que você precisa saber sobre o assunto. Desde informações mais básicas, sobre “o que é ansiedade”, até dicas para enfrentar o problema.

Vamos lá?

 

 

 


O que é Ansiedade

 

Para fazer uma abordagem mais completa, queremos esclarecer esta questão em dois tempos:

 

1º: Levando em conta a nossa comunicação do dia a dia;

2º: Usando a linguagem técnica, ou clínica.

 

Achamos isso importante. Pois esta diferença de interpretações pode acabar afetando a facilidade de algumas pessoas em aceitar (ou não) o problema.

 

Então vamos lá.

Nesta primeira parte, a título de raciocínio, a gente gostaria de te devolver a pergunta: o que significa ansiedade para VOCÊ?

 

ansiedade é a tristeza em adrenalina

 

No nosso dia a dia, o termo tem uma utilização bem variada. Muitas vezes ganhando até mesmo uma conotação positiva.

 

Por exemplo:

Você poderia se dizer ansioso porque amanhã vai começar a trabalhar em um novo emprego.

Porque seu time vai jogar uma partida importante.

Quando vai viajar.

Quando quer pedir alguém em namoro…

 

Enfim, olha que interessante esta pesquisa sobre os sinônimos de ansiedade no portal sinonimos.com.br:

 

sinônimos de ansiedade

 

Em nossa linguagem prática, ela pode pender tanto para o lado da angústia quanto para o desejo, ou até empolgação.

De qualquer forma, pelo bem ou pelo mal, o que temos em comum na nossa relação linguística com a ansiedade é a tal antecipação de futuro.

E isso já está um pouco mais perto do sentido técnico da palavra.

 

 

O que significa ansiedade de verdade?

 

Em uma linguagem técnica, o termo ansiedade é utilizado para descrever a resposta mental e psíquica a situações de medo ou ameaça.

Essa resposta pode incluir tremores, falta de ar, aumento dos batimentos cardíacos, sudorese, alterações gastrointestinais e outros sintomas (Anvisa, 2012).

 

Ou seja. A ansiedade é, sim, algo natural em nosso corpo. E pode até mesmo nos ajudar em algumas situações, como ao evitar algum mal, ou perigo. A ansiedade com a altura, por exemplo, em nível controlado, faz com que você tenha mais cuidado. E isso é bom, não é?

 

A grande questão está em entender (e aceitar) quando ela deixou de ser algo saudável, que nos deixa em estado de alerta, que estimula a ação, para se transformar em um transtorno propriamente dito.

Existe uma grande diferença entre a ansiedade “normal” e a crônica.

Vamos explicar isso no próximo tópico.

 

 

 


Quando a ansiedade deixa de ser saudável

 

Talvez não exista pessoa que nunca se sentiu ansiosa pelo menos uma vez na vida.

Como falamos anteriormente, são diversas as situações em que este sentimento é um resultado simplesmente natural do nosso corpo.

 

Mas como saber quando este não é o caso?

Como saber que você sofre de algum transtorno?

 

Vamos lá.

 

 

Ansiedade “normal” x Ansiedade Crônica

 

A ansiedade “normal”, sem exageros, estimula o indivíduo a entrar em ação.

Porém, segundo o Ministério da Saúde, quando esta ansiedade se manifesta em excesso, pode tornar-se patológica, ou seja, é prejudicial ao funcionamento psíquico (mental) e somático (corporal).

Ela gera um sentimento de impotência e paralização diante das ações.

 

Assim sendo, o primeiro passo para responder estas questões, é com uma nova pergunta. Pense: este sentimento está te atrapalhando em algum âmbito da sua vida?

 

Se a resposta for sim, é bom ficar atento.

O diagnóstico de um transtorno de ansiedade será sempre de responsabilidade de um profissional.

Porém, para você ter uma ideia, a TAG, um dos transtornos de ansiedade mais comuns, é caracterizada por uma ansiedade ou preocupação excessiva, difícil de controlar, presente na maioria dos dias da semana, por um período de pelo menos 6 meses. Ela ainda é acompanhada de mais alguns sintomas físicos ou mentais.

 

Nós falaremos deste transtorno em específico mais adiante. Mas o que queremos dizer é o seguinte:

 

Se você sente que a ansiedade está te atrapalhando de alguma forma, não existe problema algum em querer mudar esta realidade, você pode procurar ajuda sem culpa.

Como vimos no início do artigo, este é um problema que atinge MUITA gente. E o primeiro passo para ter uma vida mais tranquila é sempre aceitar que algo pode estar acontecendo e buscar o respectivo tratamento.

 

 

Dica prática: como saber que minha ansiedade “passou dos limites”:

 

Se você sente que isso pode estar acontecendo, já temos um bom indicador. Não é?

Porém, para você ficar mais tranquilo, tem algumas perguntas mais objetivas que podem te ajudar a avaliar a situação.

 

  • Tenho algum motivo real para minha ansiedade?
  • Qual é a intensidade e duração?
  • Como são os sintomas físicos?

 

De novo, somente a avaliação de um profissional pode dizer se você está enfrentando algum tipo de transtorno de ansiedade (e, principalmente, quais deles).

Porém, avalie com atenção suas respostas. O sentimento surge por razões que nem sempre são lógicas? É intenso? Te acompanha várias vezes ao dia? Apresenta sintomas físicos? Se você respondeu sim para algumas destas perguntas, já temos bons indícios de que algo merece ser investigado.

 

 

 


Depoimentos sobre ansiedade

 

o que você tem de diferente é o que você tem de mais bonito

 

Ao longo do texto vamos incluir alguns depoimentos para ilustrar o assunto.

A informação embasada é fundamental para termos uma leitura respeitosa e correta da ansiedade.

Porém, nada como a palavra de quem já sofreu com isso para que a gente possa entender como o problema se manifesta na prática.

Como você pode ver neste artigo, onde reunimos depoimentos de 7 youtubers que já sofreram com ansiedade, o problema se manifesta em pessoas de todos os perfis.

Vamos deixar dois deles para você ver:

 

 

Para quem gosta de se inspirar com histórias de superação em relação à ansiedade, aqui temos mais um link:

Ansiedade e depressão: famosos que já passaram por isso

 

 

 


Sintomas da ansiedade

 

A partir de agora, vamos afunilar um pouco o assunto.

Vamos deixar a ansiedade “natural” de lado, e nos referir diretamente aos transtornos propriamente ditos.

 

De acordo com o Manual de Diagnóstico e Estatística dos Transtornos Mentais (DSM-5), os transtornos de ansiedade incluem transtornos que compartilham características de medo e ansiedade excessivos.

Neste sentido, é importante notar que:

 

  • Medo é a resposta emocional à ameaça iminente real ou percebida
  • Já a ansiedade é a antecipação de ameaça futura.

 

Em geral, os sintomas da ansiedade variam de indivíduo para indivíduo. Por isso, é muito importante ter cuidado ao analisar “listas” de sintomas e tentar ter uma conclusão sem a ajuda de um profissional.

Mas falando agora de uma maneira mais prática, os sintomas dos transtornos de ansiedade podem se manifestar de três formas:

 

  • Pensamentos
  • Reações emocionais
  • Reações físicas

 

Aqui vamos ser mais específicos.

 

Sintomas emocionais e cognitivos:

  • Nervosismo
  • Medo
  • Dificuldade de tomada de decisão
  • Discurso acelerado
  • Dificuldade de concentração
  • Preocupação muito além do necessário
  • Facilidade de irritação
  • Impulsividade e agressividade

 

Sintomas físicos:

  • Suor
  • Coração acelerado
  • Falta de ar
  • Aperto ou dor no peito
  • Formigamento ou tremores
  • Insônia
  • Dores musculares
  • Dor de barriga
  • Dor de cabeça
  • Tontura
  • Boca seca

 

 

Sintomas na prática:

“Hoje tenho uma visão muito clara do que é um sintoma de ansiedade para mim. Porém, só fui perceber que minha angústia era realmente um Transtorno de Ansiedade, a partir do momento em que isso se converteu em questões físicas. Sentia muito medo de ter um ataque, de morrer. Sentia uma pressão física em minha cabeça, ficava latejando, ao mesmo tempo, parecia que minha garganta iria trancar. Quando isso aconteceu, conversei com um amigo médico, e ele me indicou procurar a ajuda de um psiquiatra, pois aquilo não parecia ser uma questão física, e sim mental. No fim, ele estava certo. Aceitar o problema foi fundamental para minha recuperação”

Guilherme M – Publicitário

 

Neste vídeo, a psicóloga Bia Jacomine fala sobre sua experiência como paciente ao enfrentar o Transtorno de Ansiedade Generalizada:

 

 

 


Tipos de Ansiedade

 

Existem diversos tipos de transtorno de ansiedade.

Neste tópico vamos falar de maneira geral sobre cada um deles. A começar pelos 4 considerados pela Anvisa como os principais.

 

 

Transtorno de ansiedade generalizada (TAG):

 

O Transtorno de Ansiedade Generalizada é sem dúvida um dos mais comuns, atingindo milhões de pessoas no Brasil e no mundo. Para se ter uma ideia, nos Estados Unidos, estimam-se que 6,8 milhões de adultos são afetados pelo problema.

Segundo o Manual de Diagnóstico de Estatística dos Transtornos Mentais, a TAG é identificada por uma ansiedade ou preocupação excessiva, de difícil controle, presente na maioria dos dias e por um período superior à seis meses.

Além disso, os sentimentos são acompanhados por pelo menos três dos seguintes sintomas adicionais:

 

  • Inquietação ou sensação de estar com os nervos à flor da pele
  • Fatigabilidade
  • Dificuldade em concentrar-se ou sensações de “branco” na mente
  • Irritabilidade
  • Tensão muscular
  • Perturbação do sono (dificuldades em conciliar ou manter o sono, ou sono insatisfatório e inquieto)

 

Vale lembrar que as manifestações de ansiedade oscilam ao longo do tempo, mas não ocorrem na forma de ataques, nem se relacionam com situações determinadas.

Para obter um entendimento mais profundo, recomendamos nosso artigo completo sobre o tema:

Ansiedade generalizada: o que é TAG, sintomas e tratamento

 

 

Transtorno do Pânico:

 

As Associação Brasileira de Psiquiatria Academia Brasileira de Neurologia Sociedade Brasileira de Pediatria definem o transtorno do pânico (TP) por ataques súbitos de ansiedade, onde sintomas somáticos se desenvolvem abruptamente e geram no indivíduo uma preocupação permanente com sua recorrência.

A manifestação central é o ataque de pânico, um conjunto de manifestações de ansiedade com início súbito, com diversos sintomas físicos e com duração limitada no tempo, em torno de 10 minutos.

Para saber mais sobre o assunto, e entender as diferenças entre ataques de pânico e síndrome do pânico, recomendamos nosso artigo:

O que é um ataque de pânico: principais sintomas e como recuperar

 

 

Transtorno de Ansiedade Social:

 

Também conhecido como Fobia Social, ou TAS, ou Transtorno de Ansiedade Social é caracterizado pelo medo ou ansiedade acentuados em decorrência de uma ou mais situações sociais em que o indivíduo é exposto a possível avaliação de outras pessoas.

Em função disso, a pessoa acaba evitando ao máximo este tipo de exposições, afetando diretamente em seu convívio social.

Para entender mais sobre o assunto, recomendamos nosso artigo “O que é Transtorno de Ansiedade Social”.

 

 

Transtorno Obsessivo-Compulsivo (TOC):

 

O TOC, Transtorno Obsessivo Compulsivo, é caracterizado por uma Obsessão, por uma Compulsão, ou ambos.

 

Sendo que obsessão, no TOC se manifesta em impulsos mentais e pensamentos repetitivos. Ou seja, a pessoa se sente ansiosa, tem uma vontade forte de cumprir determinado ritual, como, por exemplo, lavar as mãos, checar se a porta está trancada, manter objetos alinhados.

Já a compulsão, é quando tal obsessão é tão forte que se transforma em ação. Por mais que seja voluntário, o indivíduo não consegue evitar a execução do seu ritual.

Para entender mais sobre o assunto, recomendamos nosso artigo:

Entenda o Transtorno Obsessivo Compulsivo: o que é TOC?

 

 

Outros tipos e transtorno de ansiedade:

 

Uma das bases de diagnósticos de saúde mental mais utilizadas no mundo é o Manual de Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais 5.ª edição ou DSM-5.

Trata-se de um manual usado por psicólogos, médicos e terapeutas ocupacionais, criado pela Associação Americana de Psiquiatria para definir como é feito o diagnóstico de transtornos mentais.

 

Neste documento, existem diversos outros tipos de transtorno de ansiedade.

Vamos listar outros 3 em que você encontra conteúdos completos em nosso blog:

 

 

 

 


Causas

 

Quando falamos em relação às causas da ansiedade, é bom ter um pouco de cuidado.

Por exemplo, cada pessoa que sofre de ansiedade ao longo do tratamento vai identificando os fatores causa do seu problema.

E, como falamos lá no início do texto, em nossa rotina atribuímos várias motivos por trás deste sentimento (seja ele saudável ou não).

Mas a verdade é que os estudos ainda não são conclusivos sobre as causas exatas da ansiedade crônica.

 

Para a Anvisa, o entendimento atual sobre as causas dos transtornos de ansiedade incluem vulnerabilidade neurobiológica específica, como genética ou adversidades relacionadas com a infância, além de fatores ambientais (“stress”, trauma).

Os transtornos estão associados à disfunção dos sistemas neurotransmissores de serotonina, norepinefrina, ou seja, a química do cérebro

 

 

Opinião profissional

sobre as causas da ansiedade

 

Para obter uma visão mais precisa, conversamos com a Dra. Sayra Catalina Coral Castro, Médica com Especialização em Psiquiatria pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS).

Segundo ela, existem alguns fatores etiológicos (agentes que causam uma doença) amplamente estudados, que cada vez mais explicam os sintomas do Transtorno de Ansiedade Generalizada (TAG).

 

Dentre eles, estão:

 

  • Fatores genéticos: explicam até em um 30% a probabilidade de herdar TAG
  • Sexo feminino: as mulheres têm duas vezes maior risco de desenvolver TAG, o que mostra uma associação com os hormônios sexuais e sua maior exposição ao estresse
  • Fatores temperamentais e da personalidade: as caraterísticas inatas de como cada indivíduo lida com cada situação aumenta ou diminui a possibilidade de desenvolver sintomas de TAG. As pessoas com traços de personalidade mais obsessivas e controladoras apresentam altos índices de ansiedade.
  • Traumas emocionais na primeira infância: indivíduos expostos a abusos físicos, sexuais, emocionais ou negligencias afetivas, assim como a perdas precoces ou afastamentos de suas figuras de referência (pais/cuidadores principais)
  • Fatores ambientais: exposição à violência urbana, insegurança e incerteza com relação ao futuro
  • Fatores relacionados com a saúde física: presença de uma doença crônica ou dor crônica não controlada.
  • Uso abusivo de álcool, anfetaminas e outros estimulantes, incluído o uso excessivo de cafeína.
  • Histórico de pais ou cuidadores ansiosos ou sobreprotetores extremos que passam a ideia/crença de que o mundo é perigoso

 

 

 


Tratamento e Medicação

 

Se você está, ou conhece alguém, se sentindo ansioso/ansiosa, existe uma série de atitudes que pode buscar para amenizar os sintomas.

Falaremos sobre isso mais adiante no texto.

Porém, quando falamos em tratamento, é fundamental destacar a figura do profissional da saúde especializado.

De maneira geral, existem diversas abordagens de tratamento.

Normalmente, é realizada uma combinação de terapia comportamental, psicoterapia e medicações (quando julgado necessário pelo profissional).

É importante salientar que, alguns sintomas ou condições apresentados pelo paciente, como é o caso de alcoolismo, depressão, ou outras doenças, são tão ou mais impactantes na saúde do indivíduo quanto os próprios transtorno de ansiedade.

Neste sentido, quando observados em conjunto, acabam se mostrando como prioritários no tratamento. O que inclusive pode apresentar efeito positivo no combate à ansiedade propriamente dita.

 

 

Visão do profissional – como isso funciona na prática?

sobre o tratamento

 

Para explicar com mais clareza (e praticidade) como funciona o tratamento da ansiedade, novamente recorremos à médica psiquiatra Sayra Catalina Coral Castro.

Em relação à TAG, o transtorno de ansiedade mais comum, ela esclarece alguns pontos bem interessantes, que nos ajudam a elucidar a abordagem do tratamento.

 

Vamos lá:

 

👉 O tratamento vai depender da apresentação clínica do transtorno.

😌 Se os sintomas de TAG são leves, o tratamento psicoterápico regular pode ser uma abordagem suficiente para ter uma melhora da qualidade de vida.

👩‍⚕️ Nos quadros de maior severidade e maior prejuízo na qualidade de vida, além do tratamento psicoterápico, será necessário o uso de medicações ansiolíticas com efeitos de curto e longo prazo.

👉 Dos medicamentos amplamente usados para o tratamento de TAG se encontram os inibidores de receptação de serotonina (ex: fluoxetina, sertralina, escitalopran), os inibidores de receptação de serotonina e noradrenalina (ex: duloxetina, venlafaxina) e outros menos usados, porém com evidências consistentes como a Pregabalina.

🕐 Esses fármacos podem levar de 4 a 6 semanas para atingir a dose adequada e o efeito desejado.

👩‍⚕️ Cada vez mais estudos apontam que o tratamento para TAG deve ser de pelo menos um ano de tratamento farmacológico.

 

Importante:

 

Dra. Sayra destaca que é importante que as pessoas que apresentam TAG saibam que, no início do tratamento medicamentoso, pode ser necessário a associação de medicações com efeitos ansiolíticos imediatos, como os benzodiazepínicos (ex: Clonazepam, Lorazepam). Porem, estes deverão ser suspensos nas 4 a 6 semanas seguintes, quando os medicamentos ansiolíticos de efeitos duradouros começarão o seu efeito.

 

Ela ainda destaca a importância de conciliar o tratamento com a prática de atividades que favorecem o seu bem estar. Por exemplo: atividades esportivas, técnicas de meditação, mindfulnes e yoga.

Falaremos sobre isso logo adiante.

 

 

 


Terapias Alternativas

 

É sempre importante reforçar que somente um profissional (psicólogo ou médico psiquiatra) será capaz de identificar a existência ou não de um transtorno.

Porém, segundo o Ministério da Saúde, existem evidências científicas em relação aos benefícios de um tratamento integrado entre medicina convencional e as chamadas Práticas Integrativas e Complementares (PICS).

Para quem não sabe, as PICS são tratamentos que utilizam recursos terapêuticos baseados em conhecimentos tradicionais, voltados para prevenir diversas doenças, entre elas a depressão, hipertensão e os próprios transtornos de ansiedade.

São as chamadas Terapias Holísticas, prática que vêm ganhando cada vez mais espaço, com um crescente número tanto de profissionais quanto de pessoais buscando estas alternativas.

Algumas destas práticas já são bem reconhecidas, como é o caso do Reiki, Acupultura, Aromaterapia, Constelação Familiar, entre outras. Mas novas práticas, como é o caso do EFT (Emotional Freedom Techniques – leia mais aqui) vem ganhando cada vez mais espaço.

O próprio SUS (Sistema Único de Saúde) oferece de forma integral e gratuita, 29 procedimentos de Práticas Integrativas e Complementares à população.

 

 

Aqui estão as 29 Práticas integrativas Complementares oferecidas pelo SUS:

 

  • Apiterapia
  • Aromaterapia
  • Arteterapia
  • Ayurveda
  • Biodança
  • Bioenergética
  • Constelação familiar
  • Cromoterapia
  • Dança circular
  • Geoterapia
  • Hipnoterapia
  • Homeopatia
  • Imposição de mãos
  • Medicina antroposófica/antroposofia aplicada à saúde
  • Medicina Tradicional Chinesa – Acumpuntura
  • Meditação
  • Musicoterapia
  • Naturopatia
  • Osteopatia
  • Ozonioterapa
  • Plantas medicinais – fitoterapia
  • Quiropraxia
  • Reflexoterapia
  • Reiki
  • Shantala
  • Terapia Comunitária Integrativa
  • Terapia de Florais
  • Termalismo social/crenoterapia
  • Yoga

 

 

Com a palavra: a Terapeuta Holística

 

Paula Rota é terapeuta holística, especialista em Reiki e EFT (Limpeza das emoções negativas).

Segunda ela, “a terapia holística é um tipo de abordagem que cuida do ser humano como um todo. Tratando dos aspectos emocionais, mentais, físicos e energéticos de uma forma integral, chegando à causa do problema, não lidando somente com os sintomas”.

“Não somos só mental, ou só físico, ou só emocional. Somos tudo isso ao mesmo tempo!”

A Terapia Holística considera que as causas da ansiedade, do estresse, de emoções e sentimentos negativos, de doenças que se manifestam no corpo físico, são reflexos de desequilíbrios ou desajustes emocionais, mentais e energéticos, e, segundo Paula, é considerada como tratamento preventivo e, também, indicada como complemento à terapias tradicionais.

Em seu trabalho, Paula observa que as técnicas dentro das Terapias Holísticas podem ajudar a combater e prevenir:

  • Ansiedade
  • Depressão
  • Estresse
  • Insônia
  • TPM
  • Dores Físicas (dor de cabeça, nas costas, no estômago, etc)
  • Dores Emocionais (medo, raiva, angústia, tristeza, traumas, etc)

 

oriente sua mente e viva intensamente

 


Controlando a ansiedade

 

Já falamos sobre o tratamento.

Neste sentido, as melhores “dicas” para controlar a ansiedade virão do seu próprio terapeuta.

Porém, existem algumas práticas comuns que são reconhecidas por ajudar pessoas a trazer mais tranquilidade para o seu dia, evitando sentimentos como apreensão, confusão, e a própria ansiedade.

Aqui vamos explicar alguns.

 

 

Atividades físicas

 

Neste artigo, já falamos sobre isso. As atividades físicas são constantemente associadas à benefícios não só para o corpo, mas também para a mente.

Por exemplo, a endorfina liberada pelos exercícios ajuda a reduzir a ansiedade. Além de poder gerar melhorias no sono.

 

Mas podemos abordar conceitos menos técnicos.

 

Encontrar uma atividade física que você goste (é importante destacar isso), acaba se tornando um momento seu no dia. Onde é possível, por alguns momentos, se desprender das antecipações, preocupações e estresses da rotina, se mantendo concentrado apenas na prática.

Os próprio benefícios ligados ao corpo podem ter relação com uma vida mais tranquila, visto que a prática de exercícios acaba aumentando sua resistência física e disposição ao longo do dia.

Além isso, pode contribuir até mesmo para a autoestima. Conforme você evolui sua prática (tempo, carga, distância, o que for), se dá conta de que é capaz de fazer coisas que não conseguia antes.

 

 

Alimentação

 

Como falamos neste artigo, uma pesquisa realizada no Canadá indica que pessoas que comem menos de 3 porções de frutas e vegetais por dia têm, pelo menos, 24% mais chances de sofrerem com distúrbios de ansiedade.

Não por acaso, é muito comum observar pessoas que estejam enfrentando transtorno de ansiedade, desregulando sua alimentação. A comida acaba se mostrando como um “escape momentâneo”.

Na própria pesquisa apontada anteriormente, foi observado que entre os participantes com níveis de gordura corporal acima de 36%, a probabilidade de apresentar algum transtorno de ansiedade aumentava em mais de 70%.

Ou seja, é importante buscar desassociar o alimento ao alívio da ansiedade. Pois tudo indica que o caminho mais correto seja apostar em uma alimentação mais saudável.

Por sinal, uma mudança na sua rotina alimentar em alguns casos pode funcionar até mesmo como um “motor de mudança” em sua vida”.

 

 

Meditação

 

Também já falamos sobre meditação aqui no Zenfy.

E não é por acaso. A ideia da meditação é encontrar um momento seu, onde você consiga se manter consciente de si mesmo, deixando seus pensamentos fluírem sem julgamentos, até que você consiga atingir um estado de concentração mais elevado, livre de influências externas.

A meditação é uma prática que busca evolução constante. Para começar, você pode fechar os olhos e se concentrar em uma cor, parte do corpo, imagem, objeto, ou em algo que fizer mais sentido para você.

Porém, um dos elementos chave da meditação é a conexão com a respiração. Assim como uma consciência do próprio corpo.

Neste sentido, a prática de yoga é sempre um ponto a ser considerado.

 

 

Yoga

 

Resolvemos criar um tópico exclusivo sobre o yoga, porque a prática se encaixa tanto na meditação quanto nas atividades físicas.

E pode ser um grande aliado ao tratamento médico no combate à ansiedade.

A prática está associada à benefícios como redução de estresse, regulação do sistema nervosos e respiratório, melhoria no sono, fortalecimento do sistema imunológico e aumento da capacidade de concentração.

Além disso, de certa forma, um dos objetivos da prática de yoga é preparar o seu corpo para as posições de meditação. É algo que te acompanha no seu dia, e te ajuda a ter uma consciência maior tanto de corpo quanto de mente.

Quer aprender mais sobre o assunto? Leia nosso artigo:

Yoga: tudo o que você precisa saber para começar hoje mesmo

 

 

Organizar a rotina

 

A desordem pode funcionar como um gatilho para a ansiedade.

Quanto menos controle uma pessoa tem em sua rotina, de seus afazeres diários e semanais, mais chances terá de desencadear sentimentos de ansiedade em alguns momentos.

Neste sentido, o planejamento diário e semanal pode contribuir para que o indivíduo tenha um maior controle do seu dia, evitando acúmulos de afazeres e até mesmo alguns imprevistos.

Cada um vai encontrar o seu jeito de fazer isso. Pessoas mais metódicas e detalhistas, vão encontrar em planilhas de Excel uma grande aliada. Quem é mais visual, pode gostar de quadros pendurados na parede.

E há ainda a prática de bullet jornal, onde você planeja o seu dia e semana de maneira interativa, organizada e manual. Ou seja, um jeito divertido e um pouco mais visual de usar o bom e velho caderninho de anotações.

 

 

Rituais Matinais

 

Ainda no caminho da organização, outra prática interessante é definir um ritual matinal. Um conjunto de atividades matinais (físicas, criativas, meditativas…) que te ajudam a se sentir pronto para iniciar o seu dia de trabalho.

 

 

Opinião do paciente: que práticas me ajudaram a combater à ansiedade:

 

O tratamento psiquiátrico foi a base da minha recuperação. Aos poucos, fui me entendendo melhor, identificando os fatores que contribuam para minha ansiedade e aprendendo a combatê-los/evitá-los. Porém, vale destacar que o maior salto no tratamento foi quando adicionei algumas práticas integrativas, como Thetahealing, constelação familiar e meditação. Acredito muito nesta combinação entre terapias convencionais e alternativas.

Guilherme E – Redator

 

 

Opinião profissional: algumas dicas para o dia a dia de uma pessoa com TAG

dicas para o combate

 

Para finalizar, novamente convidamos a Dra. Sayra Catalina Coral Castro para contribuir com algumas dicas para facilitar o dia a dia de pessoas com Transtorno de Ansiedade Generalizada.

 

Aqui estão elas:

 

1 – Realizar uma tarefa por vez

2 – Aceitar que não é possível ter o controle de tudo

3 – Pratique técnicas de respiração diafragmática de 3-5 minutos que favorecem o fluxo sanguíneo cerebral e auxilia na tomada de decisões

4 – Pratique atividade física regular, pelo menos três vezes por semana, de 35 a 45 minutos. Isso favorece a liberação de endorfinas naturais que melhoram a sensação de bem-estar

5 – Planeje no possível sua rotina diária, se permitindo momentos de lazer e autocuidado como o tempo adequado para suas refeições

6 – Evite a exposição a notícias, comentários ou pessoas pessimistas e negativas

 

 

 


Links Úteis

 

A gente sabe a importância de a buscar informações sobre assuntos relacionados à ansiedade e ao seu combate.

Por isso, resolvemos disponibilizar alguns links úteis para te ajudar a ampliar o seu conhecimento sobre o assunto, e buscar uma vida mias tranquila e saudável.

 

Links relacionados à ansiedade:

Boletim de Saúde e Economia da Anvisa

Biblioteca Virtual do Ministério da Saúde

Manual de Diagnóstico e Estatística dos Transtornos Mentais (DSM-5)

Atendimento Psicológico Gratuito – Onde buscar?

Práticas Integrativas e Complementares (PICS): quais são e para que servem

Artigo: Entendendo a Síndrome de Burnout

Artigo: O que é depressão: vamos falar sobre isso?

 

Links para uma vida mais tranquila:

Artigo: O que é Flow?

Autogerenciamento: aprenda como gerenciar a si mesmo

5 rituais matinais para você ser mais produtivo

Artigo: A importância da alimentação e prática de exercícios na quarentena

Artigo: O que é mindfulness e como essa prática pode ajudar na produtividade

 

 

 


O que achou do nosso artigo?

 

Como falamos lá no início, vamos manter este texto aberto para constantes atualizações. Se você quiser enviar o seu depoimento, seja na visão técnica ou de paciente, teremos o maior prazer em incluir.

Basta entrar em contato conosco via mensagem em nosso Instagram.

A ansiedade é um tema que precisa ser tratado abertamente, e sem tabus.

Se você sente que este sentimento te incomoda de alguma maneira, procure um profissional para fazer uma avaliação correta e respeitosa.

De qualquer forma, aqui no Zenfy você encontra conteúdos semanalmente, escritos com o objetivo de trazer informação, tranquilidade e sossego para sua vida.

 

tire o dia para sorrir